Palavra do Pr Gilvan Medeiros

Deste modo, se Jesus diz que a Palavra de Deus é a verdade (João 17.17), que “a Escritura não pode falhar” (João 10.35), e “Passará o céu e a terra, mas as minhas palavras jamais passarão.” (Mateus 24.35), o evangélico crê na Bíblia como a palavra de Deus verbalmente inspirada, sendo a única regra de fé e prática infalível para o cristão.

Já que está escrito nos Evangelhos que há um só Deus (João 5.44), o evangélico crê que há um só Deus, criador e sustentador de tudo que existe.

Como está escrito nos Evangelhos que “Cristo é o verbo (ou palavra) de Deus”, que ele “estava com Deus” e “era Deus”, e que “todas as coisas foram feitas por intermédio dele, e, sem ele, nada do que foi feito se fez” (João 1.1-3 e 14), o evangélico crê que, embora Deus é único, Cristo e o Pai são um só Deus.

Também está nos evangelhos que Jesus mandou batizar os discípulos nas águas “em nome do Pai, e do Filho e do Espírito Santo” (Mateus 29.19), que blasfemar contra o Espírito Santo é pecado mais grave (Mateus 12.32), que o Espírito Santo ensina e guia a toda verdade (João 16.13), que ele é o Espírito de Deus (Mateus 12.28) e que “o Senhor é o Espírito” (II Coríntios 3.17). Portanto, os evangélicos crêem que, embora seja um só, Deus é eternamente composto de três pessoas, o Pai, o Filho e o Espírito Santo, não sendo três deuses distintos, mas um Deus cuja natureza se revela triúna, sendo ele comunidade e amor em sua essência divina, contrário o todo egoísmo, mas entregue à comunhão, ao serviço e ao convívio em amor, pois “Deus é amor” (I João 4.8).

Se o Evangelho declara que Deus é Santo (João 17.11) e que ele quer que os cristãos sejam santos, como Ele é santo (I Pedro 1.16), a igreja evangélica deve ensinar que a busca da pureza e da santidade é a vontade de Deus, e que o pecado é ofensa contra Deus. E isto é fundamental, já que Cristo morreu pelos nossos pecados, sofrendo ele a morte em nosso lugar, para nos conduzir a Deus (I Pedro 2.24 e 3.18).

Se no Evangelho lemos que Jesus voltará (Lucas 12.40), mas que ninguém neste mundo pode saber o dia e a hora (Mateus 24.36 e 2 Pedro 3.10), uma igreja evangélica não profetiza, nem aceita a palavra de quem profetize ou marque este dia e hora.